Google+ Followers

segunda-feira, 2 de maio de 2016

Filho predileto

Certa vez perguntaram a uma mãe qual era seu filho preferido,
aquele que ela mais amava.
E ela, deixando entrever um sorriso, respondeu:
"Nada é mais volúvel que um coração de mãe.
E, como mãe, lhe respondo: o filho dileto,
aquele a quem me dedico de corpo e alma...
É o meu filho doente, até que sare.
O que partiu, até que volte.
O que está cansado, até que descanse.
O que está com fome, até que se alimente.
O que está com sede, até que beba.
que está estudando, até que aprenda.
O que está nu, até que se vista.
O que não trabalha, até que se empregue.

O que namora, até que se case.
O que casa, até que conviva.

O que é pai, até que os crie.
O que prometeu, até que se cumpra.
O que deve, até que pague.
O que chora, até que cale.

E já com o semblante bem distante daquele sorriso, completou:
O que já me deixou...
...até que o reencontre...


(Erma Bombeck)

12 comentários:

  1. Oi, Ana,

    As mães normais são assim mesmo, repartem o coração igualmente com todos os filhos.

    Um beijo e boa semana

    ResponderExcluir
  2. OI Ana,
    Chorei, acredita? Lindo d+!
    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Lindo,
    Aceitar as diferenças e limitações de cada um e ama-los exatamente por isso, exercício pra vida toda.
    Um abraço,
    Sônia

    ResponderExcluir
  4. Muito lindo, Ana, amor de mãe é deste jeitinho.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  5. Muito lindo Ana, é bem assim, quem mais precisa da gente naquele exato momento tem a prioridade, hehe
    Tenho um casal, o mais velho é homem e a mais nova quase 7 anos é mulher, então nunca teve disputa de território, este espaço facilitou muito as coisas aqui em casa.

    bju grande
    ana

    ResponderExcluir
  6. Eu já conhecia , muito linda essa mensagem, e tão verdadeira!
    bjsssss

    ResponderExcluir
  7. Que mensagem linda Ana, um dia lindo para vc.
    Bjs

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Volte sempre!
Deixe aqui seu comentário ou entre em contato comigo pelo e-mail bragamaral@uol.com.br.
Agradeço, Ana Maria