Google+ Followers

quarta-feira, 4 de março de 2015

Arte de não adoecer

Se não quiser adoecer – “Fale de seus sentimentos”.
Emoções e sentimentos que são escondidos, reprimidos, acabam em doenças como: gastrite, úlcera, dores lombares, dor na coluna…

Com o tempo a repressão dos sentimentos degenera até em câncer.
Então vamos desabafar, confidenciar, partilhar nossa intimidade, nossos segredos, nossos pecados, com pessoas certas.
O diálogo, a fala, a palavra, é um poderoso remédio e excelente terapia.

Se não quiser adoecer – “Tome decisão
A pessoa indecisa permanece na dúvida, na ansiedade, na angústia.

A indecisão acumula problemas, preocupações, agressões. A história humana é feita de decisões.
Para decidir é preciso saber renunciar, saber perder vantagem e valores para ganhar outros.
As pessoas indecisas são vítimas de doenças nervosas, gástricas e problemas de pele.

Se não quiser adoecer – “Busque soluções
Pessoas negativas não enxergam soluções e aumentam os problemas. Preferem a lamentação, a murmuração, o pessimismo. Melhor é acender o fósforo que lamentar a escuridão. Pequena é a abelha, mas produz o que de mais doce existe. Somos o que pensamos. O pensamento negativo gera energia negativa que se transforma em doença.


Se não quiser adoecer – “Não viva de aparências
Quem esconde a realidade finge, faz pose, quer sempre dar a impressão que está bem, quer mostrar-se perfeito, bonzinho etc., está acumulando toneladas de peso… uma estátua de bronze, mas com pés de barro.

Nada pior para a saúde que viver de aparências e fachadas. São pessoas com muito verniz e pouca raiz. Seu destino é a farmácia, o hospital, a dor.

Se não quiser adoecer – “Aceite-se
A rejeição de si próprio, a ausência de auto-estima, faz com que sejamos algozes de nós mesmos. Ser eu mesmo é o núcleo de uma vida saudável. Os que não se aceitam são invejosos, ciumentos, imitadores, competitivos, destruidores. Aceitar-se, aceitar ser aceito, aceitar as críticas, é sabedoria, bom senso e terapia.


Se não quiser adoecer – “Confie”
Quem não confia, não se comunica, não se abre, não se relaciona, não cria liames profundos, não sabe fazer amizades verdadeiras. Sem confiança, não há relacionamento. A desconfiança é falta de fé em si, nos outros e em Deus.


Se não quiser adoecer – “Não viva sempre triste
O bom humor, a risada, o lazer, a alegria, recuperam a saúde e trazem vida longa.

A pessoa alegre tem o dom de alegrar o ambiente em que vive. “O bom humor nos salva das mãos do doutor”.
Alegria é saúde e terapia. “
 
Por Dr. Dráuzio Varella
 

10 comentários:

  1. 1-Falar de meus sentimentos? NUNCA.
    2-Não confio. E quando pensei que podia confiar, me decepcionei.
    3-Não vivo de aparências.
    4-Tristeza não combina comigo. Não penso nelas.
    5-Me aceitar? Só porque não tem jeito.

    ResponderExcluir
  2. Lindo!
    Beijinhos:-)

    http://princesamae.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
  3. Bom dia, amiga!
    Amei o texto, super verdadeiro. É isto mesmo. A maioria das doenças físicas são o resultado de coisas mal resolvidas na vida da gente!
    Bjs e ótimo final de semana!
    http://dedeartes-denise.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Ei Ana
    Falar da minha intimidade, dos meus sentimentos, fazer confidências não são muito a minha praia, preciso confiar demais na pessoa, e uma destas é meu marido, que além de companheiro é meu amigo.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  5. Não há dúvida que a relação corpo / espírito deve ser harmoniosa. Acredito que o equilíbrio é difícil de alcançar.
    Bom fim de semana, querida Ana.
    Beijo

    ResponderExcluir
  6. Ana Maria, adorei o texto. Acho-o muito verdadeiro.
    Beijinhos e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  7. Ana Maria, adorei o texto. Acho-o muito verdadeiro.
    Beijinhos e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
  8. Excelente texto, com conteúdo para levar em conta... Um abraço!

    ResponderExcluir
  9. Oi Ana,
    Dá vontade de imprimir este texto e colocar em um lugar onde eu possa ler e reler sempre.
    Bjs

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Volte sempre!
Deixe aqui seu comentário ou entre em contato comigo pelo e-mail bragamaral@uol.com.br.
Agradeço, Ana Maria