Google+ Followers

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

Cai no mundo e não sei voltar

Gostei dessa crônica escrita por Eduardo Galeno e concordo com muitas coisas escritas aqui. Vejam alguns trechos:

"O que acontece comigo é que não consigo andar pelo mundo pegando coisas e trocando-as pelo modelo seguinte só por que alguém adicionou uma nova função ou a diminuiu um pouco…

Não faz muito, com minha mulher, lavávamos as fraldas dos filhos, pendurávamos na corda junto com outras roupinhas, passávamos, dobrávamos e as preparávamos para que voltassem a serem sujadas.

E eles, nossos nenês, apenas cresceram e tiveram seus próprios filhos se encarregaram de atirar tudo fora, incluindo as fraldas. Se entregaram, inescrupulosamente, às descartáveis!
O mais provável é que o de agora esteja bem, isto não discuto. O que acontece é que não consigo trocar os instrumentos musicais uma vez por ano, o celular a cada três meses ou o monitor do computador por todas as novidades.
É mais! Se compravam para a vida dos que vinham depois! A gente herdava relógios de parede, jogos de copas, vasilhas e até bacias de louça.
Nos estão incomodando! Eu descobri! Fazem de propósito! Tudo se lasca, se gasta, se oxida, se quebra ou se consome em pouco tempo para que possamos trocar.
Nada se arruma. O obsoleto é de fábrica.

Tudo se joga fora, tudo se descarta e, entretanto, produzimos mais e mais e mais lixo. Outro dia, li que se produziu mais lixo nos últimos 40 anos que em toda a história da humanidade.

Troca-se de carro a cada ano, no máximo, por que, caso contrário, és um pobretão. Ainda que o carro que tenhas esteja em bom estado... E precisamos viver endividados, eternamente, para pagar o novo!!! Mas... por amor de Deus!

Morro por dizer que hoje não só os eletrodomésticos são descartáveis; também o matrimônio e até a amizade são descartáveis. Mas não cometerei a imprudência de comparar objetos com pessoas.

Esta só é uma crônica que fala de fraldas e de celulares. Do contrário, se misturariam as coisas, teria que pensar seriamente em entregar à bruxa, como parte do pagamento de uma senhora com menos quilômetros e alguma função nova. Mas, como sou lento para transitar este mundo da reposição e corro o risco de que a bruxa me ganhe a mão e seja eu o entregue..."

Eduardo Galeano

* Jornalista e escritor uruguaio

13 comentários:

  1. Oi, amiga querida !!

    Que linda crônica...sábia crônica, né? Tambem tenho saudade do tempo que lavávamos as fraldinhas dos filhotes ( e eu lavei m uiiiiiiiitas ! rsrsrsrs) e não decartávamos tanto as coisas e as pessoas....hoje nos sentimos mero bens de consumo da sociedade muitas vezes, né?


    Querida, quero aproveitar e te desejar um maravilhoso ano de 2012 cheinho das bênçãos de Deus na sua vida e no seu lar !

    Um beijo cheio de carinho!
    Helena
    www.diaadiacorridinho.com.br

    ResponderExcluir
  2. Oi Ana,
    Adorei o texto, mas algumas mudanças são para melhor, ou seja, as fraldas descartáveis.
    Tb acho que o consumismo está desenfreado, mas os especialistas dizem que é este consumismo que está gerando riqueza.
    Beijos 1000 e um 2012 maravilhoso para vc.

    www.gosto-disto.com

    ResponderExcluir
  3. Fabulosa e super apropriada, esta crónica.

    Em que Faculdade está o seu genro?
    É que o mundo é tão pequeno ...
    Beijo, querida.

    ResponderExcluir
  4. Ana, gostei tbém, o titulo é ótimo.
    Lhe desejo um super 2012 e que a gente possa estar juntas mais um Ano.
    bj

    ResponderExcluir
  5. Ana Maria, obrigada pelo comentário.
    Tenha um feliz dia, minha amiga.

    ResponderExcluir
  6. Ana querida!

    Passando para desejar uma semana super iluminada...

    Bjss

    http://www.toutlamour.blogspot.com

    ResponderExcluir
  7. Olá Ana Maria Braga. Nome famoso. Amei seu bloguxo. Esse é um blog blog com bom conteúdo. Gostei muito. e essas delícias! Hummmm!
    Boa semana.

    ResponderExcluir
  8. Olá Ana Maria Braga. Nome famoso. Amei seu bloguxo. Esse é um blog blog com bom conteúdo. Gostei muito. e essas delícias! Hummmm!
    Boa semana

    ResponderExcluir
  9. Oi Ana,

    Gostei do texto! faz a gente parar pra pensar um pouco em tudo! desde o esperdicio, ate as pessoas que nos rodeiam.
    Mas infelizmente, a gente tem que admitir que muitas coisas sao feitas pra melhorar nossa vida, so que quase tudo descartavel :/
    Eu vejo muito isso de lixo aqui em casa; tem dias que eu coloco saco de lixo novo e na hr que vou fazer um almoco diferente, tudo vai enchendo o lixo! tudo eh em porcoes, varios sacos plasticos.. enfim, nem tenho o q dizer.

    Tava vendo as fotos da sua ceia de natal e babei aqui! x) Quanta coisa linda e gostosa!!!!! E a torta de morango esta la de novo.. rs. Qdo descobrir a receita, me avisa ;)
    E nem quero pensar no tanto q comi esse fim de ano.. preciso fazer alguma coisa urgente.. rs.

    Fique com Deus.
    Beijos!!!!!

    ResponderExcluir
  10. essa vida descartada tb me dá nos nervos! ninguem dá valor a nada!
    bjs

    ResponderExcluir
  11. Ah, sim, vivemos num mundo de reposição!
    Ótima crônica!
    Beijo!
    http://tengavolantes.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Oi, Ana,
    Adorei o texto! Muito bom!
    Beijos!

    ResponderExcluir

Obrigada pela visita! Volte sempre!
Deixe aqui seu comentário ou entre em contato comigo pelo e-mail bragamaral@uol.com.br.
Agradeço, Ana Maria