Google+ Followers

segunda-feira, 28 de março de 2016

Coisas que devem ser mantidas em segredo

    Estudioso das culturas orientais, Vyacheslav Ruzov, em um de seus artigos  se referiu à experiência dos sábios da Índia.

O que não se deve divulgar.


Não é necessário divulgar são seus planos para o futuro. Evite falar sobre eles até que se realizem. Nenhum de nossos projetos é perfeito, na verdade eles possuem vários pontos fracos por meio dos quais podem ser facilmente destruídos.

Você não deve compartilhar o mistério da sua solidariedade. Um ato bondoso é algo extraordinário neste mundo, e justamente por isso você deve guardá-lo como seu tesouro mais valioso. Não se vanglorie por suas boas ações. Esse tipo de atitude pode levar rapidamente à arrogância, e esta não é a melhor característica que você pode ter. Concorda?

Não é preciso demonstrar a todo mundo sua austeridade. Não comente por aí sobre suas restrições alimentares, dificuldades no sono, nas relações sexuais, etc. A austeridade física traz benefícios apenas se está em harmonia com seu lado emocional.

É necessário falar sobre sua coragem e heroísmo. Todos nós enfrentamos diferentes testes a cada dia. Alguns encaram testes externos, enquanto outros, testes internos. As provas externas são visíveis, e por isso as pessoas são recompensadas, mas ninguém se dá conta da superação das provas internas. Por isso ninguém recebe recompensas por elas.

Não vale a pena divulgar seu conhecimento espiritual. Ele é somente seu e não há porque dividi-lo com ninguém. Revele-o a outros apenas se for realmente necessário, não somente para você, mas também para os outros.

O que você não deve compartilhar com outras pessoas são seus conflitos domésticos e vida familiar. Lembre-se: quanto menos você falar dos problemas da sua família, mais forte e estável ela será. As discussões servem para que você se desfaça da energia negativa que acumulou no processo do diálogo. Quanto mais você falar de seus problemas, mais acreditará neles.

Não vale a pena falar das palavras ruins que você ouviu de alguém durante sua jornada. A pessoa que, ao chegar em casa, conta tudo o que ouviu nas ruas não é diferente de quem chega em casa e não tira os sapatos, trazendo com eles a sujeira das ruas. 





segunda-feira, 21 de março de 2016

Pequenos prazeres


Senti-me instigada em registrar pequenos prazeres, tudo numa simples lista em frase inteiriça. 

Ouvir o ruído da chuva no telhado e dormir bem agasalhada;
Tomar um banho prazeroso de chuveiro, após um trabalho exaustivo;
Encontrar dinheiro esquecido no guarda-roupa;
Viajar e renovar a alma com o desconhecido;
Estar com amigos, falando muito de nada e dando boas gargalhadas;
Dormir sabendo que não tem hora marcada para levantar no dia seguinte;
Encontrar com uma amiga de infância e conversar como tivéssemos nos visto ontem;
Presentear alguém e ver o brilho de felicidade em seu olhar;
Ouvir a voz do silêncio e aquietar-me até dormir;
Arrumar a casa gostando dessa atribuição e curtir a casa arrumada;
Fazer um bolo no meio da tarde e saboreá-lo ainda quentinho;
Ouvir elogios sinceros:
Almoçar em família;
Sentir-se amada por seu companheiro;
Receber uma boa massagem relaxante, depois de um dia cansativo;
Dormir na sua cama após uma longa viajem;
Estar em casa e senti a paz dos filhos dormindo;
Sentir a paz na alma.

segunda-feira, 14 de março de 2016

Exposição Efrain Almeida


Visitei uma exposição, no Centro Cultural do Banco do Nordeste, do escultor Efrain Almeida.
Cearense nascido no município de Boa Viagem.
Quase todas peças são de pássaros.
Os trabalhos de Efrain são constituídos de pequenas esculturas, em sua maioria feitas em bronze.



 Cisne Negro

Pássaro Lavadeira
O beija-flor é um pássaro que mais paira no ar.


A sala, abaixo, é intitulada "uma coisa linda".
Foi isso que o pai do autor disse ao visitar a exposição.




Amei esta exposição.

terça-feira, 8 de março de 2016

Dia Internacional da Mulher


Hoje é nosso dia. Merecemos!!

Ainda hoje continua o empenho para tentar diminuir e, quem sabe um dia terminar, com o preconceito e a desvalorização da mulher.
Mesmo com todos os avanços, elas ainda sofrem, em muitos locais, com salários baixos, violência masculina, jornada excessiva de trabalho e desvantagens na carreira profissional. 

Vejam como tudo começou.

No Dia 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos de Nova Iorque, fizeram uma grande greve para reivindicar melhores condições de trabalho, tais como redução na carga diária de 16 para 10 horas, equiparação de salários com os dos homens e tratamento digno dentro do ambiente de trabalho.

A manifestação foi reprimida com total violência.
As mulheres foram trancadas dentro da fábrica e aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas, num ato totalmente desumano.

No ano de 1910, durante uma conferência na Dinamarca, ficou decidido que o 8 de março passaria a ser o "Dia Internacional da Mulher", em homenagem àquelas mulheres.

Entretanto apenas em 1975, a data foi oficializada pela ONU (Organização das Nações Unidas).

Muito foi conquistado, mas muito ainda há para ser modificado nesta história.