Google+ Followers

segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Deixem as gordas em paz!!


 

Muitas mulheres convivem com essa neurose diariamente. Muitas mesmo. Quantas amigas suas vivem de dieta? Quantas amigas suas morrem de culpa por comer um pedacinho de bolo? Quantas mulheres entram em depressão por causa de seus corpos depois da gravidez? Quantas delas correm para a academia querendo entrar "em forma" o mais rápido possível? Quantas tomam remédio pra emagrecer? Quantas morrem de vergonha de seus corpos na praia? Quantas conseguem ficar de boa ao vestir um biquíni sem ter se esforçado pra estar "em forma"? E quantas das que eram gordas e emagreceram agora tiram onda das que continuam gordas? É claro que você pode ir pra academia. É claro que você pode malhar, pode inclusive ser musculosíssima, pois o corpo é seu. O que nós queremos é apenas que todos os corpos sejam aceitos. Todos os corpos. Os malhados. Os naturalmente magérrimos. E os gordos. Sim, as gordas querem ser aceitas e felizes. E amadas e bonitas e tratadas como pessoas normais, não como "aquela gorda", estando isso à frente de tudo mais que ela for. 
Mas há obviamente uma pressão maior sobre as gordas. Se for negra e gorda, então, muito pior.  Vamos falar GORDAS, não "gordinhas", "fofinhas" ou "gordelícia", porque GORDA não é xingamento. Uma pessoa gorda não é pior do que uma pessoa magra. Nem mais preguiçosa, nem mais relapsa, e nem tem menos "força de vontade". Força de vontade PRA QUE, minha gente? Pra se enquadrar em um padrão excludente? As gordas que emagrecem são parabenizadas. Glorificadas. "Parabéns pela sua incrível força de vontade!" Ninguém pensa na triste possibilidade de essa força de vontade talvez estar vindo de uma terrível angústia por causa da pressão social. É claro que a pressão nem sempre vem de fora pra dentro. Você pode perfeitamente não se sentir bem em seu corpo e querer mudar; como eu já disse, o corpo é seu. Mas saiba que isso é algo pessoal e que é lamentável que isso vire uma cruzada chamando todas as pessoas que são gordas para também entrarem "em forma". Isso não deveria estar no centro das nossas vidas. Nós não estamos aqui para enfeitar o mundo. Somos mulheres, não adornos.
Veja bem, eu não estou usando um tom acusatório. Eu inclusive sinto isso na minha pele, sempre senti. A vida inteira eu convivi com essa paranóia. Tomei um milhão de remédios para emagrecer. Vivia querendo ser magra. E eu nem era gorda! Porém me entendia gorda. Obesa. Horrível. Eu precisava emagrecer. Chorava quando engordava um pouquinho. Vivia pensando nisso, carregava a neurose como uma bigorna pendurada no pescoço. A pressão era terrível. Eu achava que tinha que ser perfeita. Achei que estava perfeita depois de uma crise em que fiquei dias sem comer. Eu estava horrível,  estava um caco, mas estava esquálida e me achando linda, com muita gente ao meu redor aprovando o absurdo. Eu sei como é. Eu sei o que a gente passa. Não é fácil se livrar disso. Volta e meia ainda tenho umas crises que podem até atrapalhar a minha vida sexual. Ninguém está livre e a culpa não é de quem sucumbe; é muito difícil conviver diariamente com todas as pressões de um mundo que vê os gordos - mais especificamente as gordas - como pessoas piores.

Não tem roupa pra gorda no Brasil. Não tem mercado pra gorda no Brasil. Pessoas gordas sofrem preconceito em entrevista de emprego (li que precisam fazer cerca de quarenta entrevistas a mais do que uma pessoa magra). Não tem gorda na televisão, a não ser quando é no papel d'A Gorda. Pessoas gordas sofrem preconceito no sistema de saúde. Pessoas gordas sofrem preconceito no transporte público. Pessoas gordas não são doentes. Pessoas gordas são apenas gordas.
Exaltar a beleza das gordas não é dizer que as magras não estão mais autorizadas a serem belas. Não é tentar estabelecer um novo padrão, uma ditadura da celulite, e sim aceitar uma democratização da beleza. É não olhar feio quando a gorda quiser comer um xis-tudo, porque o corpo é dela, consequentemente, a saúde também. Não use o argumento da saúde para cagar regra no corpo alheio. Dificilmente fazem isso com as magras. Dificilmente condenam meninas evidentemente doentes, pelo contrário, elas têm a magreza elogiada e exaltada e são encorajadas a continuarem com a loucura de não comer, de vomitar, de perder, perder, perder. Não é uma preocupação com a saúde. 
Anorexia é a primeira causa de morte entre pessoas do sexo feminino entre 14-25 anos. E é esse padrão que causa isso. Mulheres morrem porque querem ser magras. Mulheres morrem porque não querem ser chamadas de gordas.
Gorda não é xingamento. Deixem as gordas em paz. Deixem as gordas de biquíni. Deixem as gordas mostrarem a barriga, deixem as gordas usarem o tamanho de saia que quiserem. Deixem as gordas terem namorados sem pensar "nossa, esse aí podia conseguir coisa melhor". Gorda não é "coisa". Gorda é gente.
Apenas deixem as gordas em paz.

por Clara Averbuck — publicado 09/09/2013 19:32, última modificação 10/09/2013 12:51


 

 

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Mimo para uma amiga

Manhã de domingo, deu vontade de fazer um mimo, para uma amiga que iria visitá-la no final da tarde.
Nada melhor do que um Browne.
Então, foi o que fiz: mãos à obra.
Vejam através das fotos.
 
 
 
 
Precisa dizer que ela adorou?
 

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Final de tarde de sábado

Receber pessoas queridas, num final de tarde de sábado, é um programa que gosto muito.
Desta vez, recebi uma amiga de adolescência e comadre, a Sônia.
Melhor ainda porque vieram uma das minhas irmãs e outra amiga, também da mesma época, a Ângela.
As conversas e risadas se estenderam até as 22h.
Para mim, isso é felicidade.

Celia Regina, Ângela, eu e Sonia (blusa laranja)

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Envelhecer

Recebi e estou repassando.

É para pensar!!!! ainda da tempo  
Artigo sobre envelhecer

Um excelente professor de física e matemática, que também sabe escrever.

Estamos envelhecendo. Não nos preocupemos! De que adianta, é assim mesmo. Isso é um processo natural.
É uma lei do Universo conhecida como a 2ª Lei da Termodinâmica ou Lei da Entropia.
Essa lei diz que: A energia de um corpo tende a se degenerar e com isso a desordem do sistema aumenta.

Portanto, tudo que foi composto será decomposto, tudo que foi construído será destruído, tudo foi feito para acabar.
Como fazemos parte do universo, essa lei também opera em nós. Com o tempo os membros se enfraquecem, os sentidos se embotam. Sendo assim, relaxe e aproveite. Parafraseando Freud: “A morte é o alvo de tudo que vive”.
Se você deixar o seu carro no alto de uma montanha daqui a 10 anos ele estará todo carcomido. O mesmo acontece a nós.
O conselho é: Viva. Faça apenas isso. Preocupe-se com um dia de cada vez.
Como disse um dos meus amigos a sua esposa: “me use, estou acabando!”.
Hilário, porém realista.

Ficar velho e cheio de rugas é natural.
Não queira ser jovem novamente, você já foi. Pare de evocar lembranças de romances mortos, vai se ferir com a dor que a si próprio inflige..
Já viveu essa fase, reconcilie com a sua situação e permita que o passado se torne passado. Esse é o  pré-requisito da felicidade.
“O passado é lenha calcinada.
O futuro é o tempo que nos resta: finito, porém incerto” como já dizia Cícero.
Abra a mão daquela beleza exuberante, da memória infalível, da ausência da barriguinha, da vasta cabeleira e do alto desempenho pra não se tornar caricatura de si mesmo.
Fazendo isso ganhará qualidade de vida. Querer reconquistar esse passado seria um retrocesso e o preço a ser pago será muito elevado.
Serão muitas plásticas, muitos riscos e mesmo assim você verá que não ficou como outrora.
A flor da idade ficou no pó da estrada. Então, para que se preocupar?! Guarde os bisturis e toca a vida.

Para que se preocupar com as rugas, você demorou tanto para tê-las!
Suas memórias estão salvas nelas. Não seja obcecado pelas aparências, livre-se das coisas superficiais.
O negócio é zombar do corpo disforme e dos membros enfraquecidos.

Essa resistência em aceitar as leis da natureza acaba espalhando sofrimento por todos os cantos.
Advêm consequências desastrosas quando se busca a mocidade eterna, as infinitas paixões, os prazeres sutis e secretos, as loucas alegrias e os desenfreados prazeres.
Isso se transforma numa dor que você não tem como aliviar e condena a ruína sua própria alma. Discreto, sem barulho ou alarde, aceite as imposições da natureza e viva a sua fase.
Sofrer é tentar resgatar algo que deveria ter vivido e não viveu. Se não viveu na fase devida o melhor a fazer é esquecer.
A causa do sofrimento está no apego, está em querer que dure o que não foi feito para durar. É viver uma fase que não é mais sua. Tente controlar essas emoções destrutivas e os impulsos mais sombrios.
Isso pode sufocar a vida e esvaziá-la de sentido. Não dê ouvidos a isso, temos a tentação de enfrentar crises sem o menor fundamento.
Sua mente estará sempre em conflito se ela se sentir insegura. A vida é o que importa. Concentre-se nisso. A sabedoria consiste em aceitar nossos limites.

Você não tem de experimentar todas as coisas, passar por todas as estradas e conhecer todas as cidades.
Isso é loucura, é exagero. Faça o que pode ser feito com o que está disponível.
Quer um conselho? Esqueça.
Para o seu bem, esqueça o que passou. Têm tantas coisas interessantes para se viver na fase em que está. Coisas do passado não te pertencem mais.
Se você tem esposa e filhos experimente vivenciar algo que ainda não viveram juntos, faça a festa, celebre a vida, agora você tem mais tempo, aproveite essa disponibilidade e desfrute.
Aceitando ou não o processo vai continuar. Assuma viver com dignidade e nobreza a partir de agora. Nada nos pertence.

  O que importa é o que está dentro de nós, à velha máxima continua atual como nunca: “quem tem muito dentro precisa ter pouco fora”.
Esse é o segredo de uma boa vida.


 

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Feriado de 7 de setembro

Mais uma vez, fui passar o final de semana na Invernada, que é um sitio da família do meu cunhado.
É um local onde todos que visitam, gostam muito.
Eu, adoro e por isso quando tenho oportunidade volto por lá.
Desta vez, fui só com mais 3 pessoas e mesmo assim foi muito bom.
Tranquilidade total.
Veja se tenho ou não razão para gostar tanto.
 
Frente da casa 
Um dos lados 
 
Mensagens carinhosas nas paredes 
 
  Todo quarto tem o nome de uma flor 
 
 Fundos da casa
adorei o carrinho de mão como jarro. 
E que tal aproveitar um troco e fazer uma jardineira?
 
Vista da frente da casa.
Encontro de uma lagoa com o mar
 
 
Corredor cheio de fotos da família e visitantes

Muitos quadrinhos em ponto de cruz
Doces feitos lá.
Capricho por todos os lugares
 
Esse cantinho é para os churrascos.
 
um dos lados da casa 
O por do sol 

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Torta de doce de goiaba

Essa é uma das tortas que mais gosto.
Ganhei a receita de uma colega, que na época fazia sobremesas para fora.
Vale a pena fazer, pois é uma delícia!! Além, de muito fácil de preparar.
Vejam:

TORTA DE GOIABADA 

    1 lata de goiabada (550 grs)
    1 lata de leite condensado
    1 lata de leite de vaca
    1 lata de creme de leite
    300 grs. de queijo de coalho ralado grosso
    3 ovos 

    Unta-se um pirex médio com margarina e polvilha com 1/3 do queijo ralado.
    Derrete-se no fogo, a goiabada com meio copo d'água.
    Põe no pirex e mais queijo ralado em cima.
    Faz-se uma papinha com o leite condensado, o leite de gado e as gemas. Não precisa ferver muito.
   Joga em cima do queijo e goiabada no pirex.
    Em cima da papinha, põe-se um suspiro feito com as 3 claras, 3 colheres de sobremesa de açúcar e o creme de leite gelado sem o soro.
     Polvilha-se com o restante do queijo ralado e vai ao forno, até dourar.
    Serve-se gelada.


terça-feira, 10 de setembro de 2013

Máquina de lavar roupa


Tinha uma máquina de lavar roupa Brastemp com 3 anos e meio de uso.
De repente, parou de centrifugar.
Chamei o técnico da assistência autorizada por duas vezes e o diagnóstico foi que não tinha mais a peça para reposição.
A Brastemp (em São Paulo) vez por outra me ligava querendo saber como ficou o serviço.
Aproveitei para reclamar a falta da peça de um produto com tão pouco tempo de uso.
Depois de algumas ligações, a Brastemp me ofereceu uma outra máquina de lavar, a preço de custo.
Aproveitei a oportunidade e escolhi outro modelo melhor.
Fiz o deposito bancário, conforme combinado, e poucos dias depois recebi a nova máquina.
Fiquei satisfeita com o desfecho.
Vale a pena reclamar, ir atrás dos nossos direitos.
Abaixo, a máquina que escolhi.
 
 

 

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

Bolo

Não sei se já falei que sou doida por bolos.
Sábado, tive uma surpresa recebendo um lindo bolo do meu amigo Armando César.
Nos conhecemos há uns anos 8 anos.
Ambos estávamos começando num trabalho novo.
Eu como caligrafa e ele como cerimonialista.
Na maior cara de pau, fui no escritório dele, me apresentei.
A receptividade foi das melhores e depois disso ficamos amigos.
Ultimamente, tem postado no Facebook bolos feitos por ele.
 E num dos meus comentários ele respondeu que faria um bolo para mim.
Hj a promessa foi cumprida. Valeu.
Um bolo de ameixa com passas, daqueles bem molhadinhos.
É de lamber os "beiços". Amei.
Olha o capricho!!
 
 
Não resisto!!!

segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Outra torta de banana


Na ultima reunião do Clube da Luluzinha, há poucos dias, comemos uma sobremesa de banana maravilhosa.
A escolha foi das amigas Cristina e Maria que eram as aniversariantes do mês.
Não me contive em saborear um só pedaço. Todas elogiaram.
Hoje, minha amiga Antônia, que é uma “expert” na cozinha, me passou a receita e estou repassando para quem interessar.
Não irão se arrepender em fazê-la.
 
Torta de banana
Põe na batedeira:
1 xícara de farinha de trigo
1 xícara de açúcar
2 colheres de manteiga sem sal
3 ovos
1 colher de chá de fermento e uma pitada de canela.
À parte, corta-se ao comprido 12 bananas prata, frita e põe em cima delas um pouco de canela e açúcar.
Arrumação:
Põe-se a metade da massa numa forma untada e enfarinhada de aro removível
Em cima da massa, põe as bananas e se quiser algumas passas também
Leite condensado em cima delas
Restante da massa
Mais um pouco de leite condensado.
Leva ao forno.
Abaixo, foto da sobremesa e das aniversariantes Maria e Cristina.